top of page

Brasil pode ser líder global em economia verde

O CEO da GranBio, Bernardo Grandin, avalia que a bioeletrificação automotiva e o querosene de aviação verde são inovações que demonstram como o etanol pode desenvolver um papel fundamental para a implementação de uma matriz energética limpa. “Novas rotas tecnológicas como a da célula sólida de combustível para a bioeletrificação dos transportes e o querosene de aviação verde, ou SAF (Sustainable Aviation Fuel), produzido a partir do etanol, darão um novo impulso à produção de etanol do Brasil com potencial de dobrar a demanda até 2050”, afirma.

Ela afirma ainda que “o etanol tem um papel relevante na agenda de transição energética mundial”. No Brasil, de acordo com a Unica, associação de empresas do setor, o etanol utilizado em transportes evita a emissão de 550 milhões de toneladas de CO2 ao substituir a gasolina. As atividades de produção do combustível ocupam apenas 4,5% da área territorial e empregam mais de 2 milhões de pessoas direta e indiretamente. O etanol terá papel transformador na chamada bioeletrificação automotiva com a chegada das células sólidas de combustível que viabilizarão carros de motor elétrico movidos a etanol. A autonomia é superior a 600 km com 30 litros de etanol. O papel desse combustível na descarbonização ou captura de carbono será ainda mais eficiente com o etanol celulósico, que usa biomassa agrícola como matéria-prima e ainda reduz em mais de 90% a emissão equivalente da gasolina. Apenas os resíduos agrícolas da cana-de-açúcar não empregados para cogeração permitirão o aumento de produção de etanol brasileiro em mais de 50% sem expandir a área plantada.


Portal da Indústria






コメント


bottom of page