top of page

Polo de calçados de Nova Serrana espera ano melhor em 2024

O fim de 2023 não reservou dias com vendas prospectadas para o polo de Nova Serrana. Estima-se que o volume de calçados comercializado ficou abaixo do esperado. O Sindicato Intermunicipal das Indústrias de Calçados de Nova Serrana (Sindinova) aponta alguns motivos para o desempenho aquém. Por um lado, o comportamento mais conservador dos consumidores. Por outro, a concorrência com produtos importados, considerada competição desleal pela entidade. Apesar disso, o setor está otimista com o futuro. A indústria está de férias coletivas até este mês.


“Em 2023, o varejo trabalhou sem confiança porque o consumidor também segurou as compras. Houve muitas dificuldades diante disso. Porém, no fim do ano, as lojas estiveram com vendas até muito boas. Então, para este começo de 2024, temos boas expectativas”, disse Ronaldo Lacerda, presidente do Sindinova.


A cadeia de produção e o comércio nova-serranense geram cerca de 20 mil empregos diretos e outros 20 mil indiretos, em uma cidade com pouco mais de 100 mil habitantes. Neste cenário, a concorrência com o e-commerce e os produtos importados preocupa. Com preços inferiores aos praticados no mercado, o desafio da indústria calçadista aumenta quando as duas situações se unem. “Muitos calçados estão entrando no Brasil sem pagar imposto, através das plataformas de e-commerce, e isso tira muitos empregos da indústria e do varejo brasileiro”, critica Lacerda.


Diário do Comércio



Comentários


bottom of page