top of page

Como a tecnologia ajuda aumentar a competitividade

Pesquisa recente realizada pela consultoria Accenture apontou que 86% dos executivos C-level entrevistados realizam investimentos de moderados a significativos em Inteligência Artificial, e 69% dos diretores de cadeia de suprimentos pretendem aumentar o investimento em gêmeos digitais nos próximos três anos.

Flávio Barreiros, líder de Supply Chain e Operations da Accenture para Brasil e América Latina, em entrevista publicada no Valor Econômico, explicou que esse movimento se dá porque a digitalização realmente muda o patamar de competitividade, conexão, eficiência e agilidade da cadeia de suprimentos, contribuindo para o aprimoramento do chamado "supply chain" resiliente.

Para o especialista, a tecnologia ajuda a se adaptar e se recuperar de eventos disruptivos, a exemplo disso, foi a pandemia. "Um "supply chain" resiliente é aquele que consegue mitigar ou minimizar o impacto desses eventos adversos no atendimento e na experiência dos clientes, nos custos operacionais e na continuidade dos negócios".

Para o profissional, existem tecnologias que colocam o "supply chain" em outro patamar, em uma visão muito mais "insight driven", com dados e muita inteligência analítica. “Com tecnologias habilitadoras, como 5G, "blockchain" e IoT, que geram conexão rápida de dados, segurança e rastreabilidade, as empresas podem obter um panorama instantâneo de suas operações em um determinado momento ou período”.

Embora haja muitos benefícios em tornar a cadeia de suprimentos cada vez mais tecnológica, há ainda, segundo Flávio Barreiros, alguns desafios a serem enfrentados. Eles incluem uma visão ainda muito forte de trabalho em silos organizacionais, pouca colaboração dos parceiros logísticos e baixa autonomia das equipes para tomadas de decisões importantes.

"Muitos dos executivos de Supply Chain e Operations não veem que seus times estão preparados para transformar e operar uma cadeia digital, e esse é um erro. As pessoas precisam estar presentes desde a criação da visão, a ambição e a estratégia de transformação. Sem engajamento, o desenvolvimento não acontece", diz.

Priorizar as pessoas, desenvolver suas habilidades e investir nas tecnologias corretas é a chave para trilhar um caminho rumo a um trabalho reformulado. É uma estratégia que combina criatividade humana à inteligência das máquinas, para alcançar agilidade competitiva, eficiência e a tão sonhada resiliência.

Para aprimorar o supply chain, segundo Barreiros, o primeiro passo é identificar quais são os pontos críticos, seja no fornecimento de matérias-primas, no risco de incremento nos custos, nas rotas logísticas, nas concentrações de produção em regiões específicas ou em canais de distribuição restritos.

"Com o cenário mapeado, as empresas devem implementar mecanismos para sentir os desvios ao longo de sua cadeia no dia a dia. A partir daí, encontrarão respostas, direcionando pedidos para fornecedores, aumentando estoques específicos, trocando rotas logísticas e influenciando a demanda de outros produtos conectados com o time comercial, entre outras medidas."


CIMM




Comments


bottom of page