top of page

Demanda fraca, juros e carga tributária prejudicam a indústria gaúcha

Queda na produção e no emprego, além de acúmulo de estoques, foram a consequência de nova desaceleração na indústria gaúcha, em junho, revela a pesquisa Sondagem Industrial RS. O índice de evolução da produção atingiu 44,9 pontos, a terceira retração consecutiva da produção industrial, e, nos últimos dez meses, cresceu apenas em março de 2023, terminando acima dos 50 pontos. “Esse recuo no mês passado foi provocado especialmente pela demanda interna insuficiente e pelos altos níveis de juros. De uma forma geral, o empresário gaúcho se sente inseguro diante dessas dificuldades e, para os próximos seis meses, espera uma melhora na demanda, mas sem geração de emprego, demonstrando também pouca disposição para investir”, diz o presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry, ao analisar o resultado do levantamento realizado pela entidade. O aspecto positivo da pesquisa ficou por conta da retração nos preços das matérias-primas.

Ao atingir 44,9 pontos, a queda na produção se apresentou mais intensa do que o padrão histórico do mês de junho, cuja média é de 47,8. O emprego caiu pela nona vez seguida, em ritmo também mais intenso que o padrão do mês: o índice do número de empregados foi de 46,4 pontos em junho, contra uma média de 47,1. Os dois índices variam de zero a cem pontos, e os dados acima de 50 indicam crescimento e abaixo, queda na comparação com o mês anterior.

Mesmo com este cenário negativo na produção, a utilização da capacidade instalada (UCI) cresceu três pontos percentuais, de 67% para 70%, ficando também acima da média histórica de 68,9% do mês de junho. Porém, os empresários a consideram bem abaixo do nível normal para o mês, pois o índice de UCI em relação a usual atingiu 40,7 pontos no mês passado, valor bem inferior ao usual de 50.


Comunicação da FIERGS




Comentarios


bottom of page