Economista da FIERGS apresentou perspectivas para o comércio internacional

Em reunião-almoço, nesta quinta-feira (19), a Abrameq teve como convidado o economista da FIERGS Caio Rostirolla, que falou sobre o cenário atual do comércio internacional, destacando a desglobalização e o reararranjo das cadeias de oferta.

Observou que o comércio internacional segue firme e o Brasil tem se aproveitado deste momento e o Rio Grande do Sul se beneficia mais ainda, com destaque para os setores de alimentos. Quanto ao setor de couro e calçados, Rostirolla informou que em 2020 houve uma queda de 26% nas exportações gaúchos, plenamente recuperada em 2021, com incremento de 45%.

Segundo o economista, a tendência é de que o comércio internacional siga firme, apesar de algumas ameaças, vivendo os maiores desafios conjunturais desde a 2ª Guerra Mundial, o que oferece algumas ameaças à globalização, geradas pela falta e alto custo dos insumos e matérias-primas, bem como a forte alta do preço dos fretes marítimos, que chega a 569% de aumento de 2020 para cá. Diante disto, Rostirolla detecta uma tendência de desglobalização em algumas áreas, mas não em todas. E sobre o efeito destes desafios, ele acredita que pode ser longo o tempo para a sua solução.

Em suas considerações finais, ressaltou que:

- Há uma desaceleração da globalização em curso;

- Ao mesmo tempo há uma aceleração do crescimento do comércio internacional;

- Problema: Resiliência x Custos x Produtividade x Mão-de-obra qualificada;

- Principais tendências têm sido a diversificação das cadeias de fornecimento e a expansão dos estoques;

- Para os próximos anos, movimentos como nearshoring podem ganhar força.