Iata vê retomada mais rápida na América do Sul do que no restante do mundo

Atualizado: 7 de abr.

O vice-presidente regional da Associação Internacional de Transportes Aéreos (Iata, na sigla em inglês) para Américas, Peter Cerdá, reforçou nesta quarta-feira, 6, que a recuperação ocorre de maneira acelerada na região da América do Sul. Ele citou como exemplo a demanda doméstica no Brasil, que já atingiu 90% do nível pré-pandemia.

"No continente, a retomada está vindo mais rápido que no resto do mundo", disse durante o congresso Wings of Change, promovido pela Iata no Chile.

O dirigente observou, entretanto, que medidas restritivas continuam impactando negativamente a retomada, como no Chile, por exemplo, onde inúmeras medidas sanitárias continuam sendo exigidas para viajantes vacinados. "Brasil e Uruguai deixaram de exigir teste PCR para vacinados, isso estimula a retomada. Viajar é seguro."

Segundo Cerdá, a região tem um enorme potencial de crescimento. No pré-pandemia, em 2019, a Espanha registrava 4,45 viagens por habitante/ano, enquanto o Brasil assinalava 0,48 viagens por habitante/ano.


Agência Estado