Juro real brasileiro só perde para o da Rússia

O juro real brasileiro só perde para o da Rússia, aponta um levantamento feito pela Infinity Asset, considerando as taxas de juros e inflação em 40 países.

O movimento ocorre após o Copom elevar a taxa básica de juros para 11,75% ao ano, uma alta de 1 ponto percentual. O levantamento usou como base a inflação projetada para os próximos 12 meses, de 5,69%, segundo o último relatório Focus, e a taxa de juros DI a mercado dos próximos 12 meses no vencimento mais líquido, de março 2023.

Considerando a taxa de juros atual e descontada a inflação, o juro real brasileiro ficou no patamar de 7,10%, pelos cálculos da Infinity. Com isso, o Brasil ocupa a segunda posição do ranking mundial de juros reais, ficando atrás apenas da Rússia, que experimenta forte alta das taxas em meio às tensões da guerra com a Ucrânia, com um juro real de 30,07%.

Entre os cinco maiores juros reais do mundo, após o Brasil, se encontram Colômbia, Chile e México com um juro real de 3,65%, 3,64% e 2,62%, respectivamente.


Infomoney