top of page

Líderes do cluster calçadista lançam pacto para o futuro

O cluster calçadista da região quer se tornar uma referência mundial até 2028. O projeto é ambicioso e para os representantes do setor nos vales do Sinos e Paranhana é possível e irá envolver três pilares: inovação, criatividade e sustentabilidade.


A meta chamada de “Pacto Calçadista” pretende ser alcançada por meio do programa Liderança para Desenvolvimento Regional (Lider), do Sebrae. A iniciativa é nacional, mas pela primeira vez no País está sendo segmentada. Ontem, as lideranças do setor em 13 municípios envolvidos apresentaram os resultados do ano no Fórum Lider.


O programa foi lançado em março deste ano, durante a Fimec, em Novo Hamburgo. Foram oito encontros ao longo de 2023, cada um em um ponto da região.


O evento, no NH Hall, em Novo Hamburgo, reuniu empresários do setor e autoridades do Estado e dos municípios. Os empresários fizeram questão de ressaltar que, no programa, são “pessoas físicas” e não “pessoas jurídicas”. “São valores individuais que são trabalhados para que se tornem coletivos, sejam inseridos nas empresas”, diz Marlos Schmidt, do segmento de indústria de máquinas para calçados da ABRAMEQ.


Ele destaca que o programa reúne pessoas “que querem fazer”. “Primeiro o Lider focou no engajamento do grupo e depois, construímos propósito. Uma das principais pautas é unir mãos e mentes para calçar o mundo. E já estamos projetando entregas para 2024”, adianta.


A apresentação do fórum foi conduzida pelo gerente regional do Sebrae, Marco Aurélio Copetti. “Este programa reúne um conjunto de atores, pessoas físicas, que foram preparadas ao longo do ano para serem líderes de um processo de transformação e reposicionamento do cluster calçadista da região”, diz Copetti. Ele acrescenta que “o setor enfrenta, além das adversidades econômicas nacionais, desafios dentro do próprio ambiente. O programa é uma forma de repensar o setor, ativar o PIB, gerar mais emprego e renda e criar uma dinâmica mais sustentável”, resume.


Quarenta líderes do cluster calçadista participam da iniciativa. Ao longo do ano eles se dividiram em quatro eixos: governança; pessoas, processos e produtos; comunicação do cluster; e marketing e internacionalização. Dentro do eixo “pessoas” está a importância da qualificação e de trazer os jovens para o segmento. “Não existe processo e produto sem investimento nas pessoas”, diz Silvana Dilly, do setor de componentes e superintendente da Assintecal. A iniciativa prevê a utilização de projetos e programas já existentes na região.


Presidente da ACI-NH/CB/EV/DI, Diogo Leuck lembra que o programa surgiu de uma demanda do mercado “que foi abraçada pelo Sebrae”.


A prefeita Fátima Daudt (MDB) destacou que “é um fator extremamente positivo a união do cluster. Não tinha visto ainda essa união para o fortalecimento do setor, não desta forma. Estou muito feliz.”


Jornal NH


Comments


bottom of page