Produtividade do trabalho na indústria cai há um ano e meio, aponta CNI

A produtividade do trabalho na indústria de transformação brasileira caiu 1,5% no primeiro trimestre de 2022, na comparação com o último trimestre de 2021. O dado é medido pelo volume produzido dividido pelas horas trabalhadas na produção. Na mesma base de comparação, as horas trabalhadas cresceram 2,2% acima do aumento registrado pelo volume produzido, 0,8%, de acordo com estudo da CNI.

É o sexto trimestre consecutivo de queda do indicador, que atingiu o nível mais baixo da série desde o terceiro trimestre de 2012. A perda acumulada de produtividade chega a 10% na comparação com o terceiro trimestre de 2020, última alta registrada pelo indicador, afastando-se ainda mais do nível anterior à crise da covid-19.

A gerente de Política Industrial da CNI, Samantha Cunha, explica que a queda na produtividade se deve a efeitos conjunturais. Esses efeitos também são vistos no indicador de produtividade global do trabalho, que, segundo previsão do Conference Board, ficará estagnado neste ano.

“As economias ainda se recuperam dos efeitos da covid-19 e agora sofrem os impactos da Guerra da Ucrânia. No Brasil, a falta ou o alto custo da matéria-prima se tornou uma das maiores dificuldades da indústria desde o segundo trimestre de 2020, diante dos efeitos da pandemia. O início do conflito entre Rússia e Ucrânia intensificou os problemas das cadeias de suprimento, elevando as incertezas”, explica Samantha.


Portal da Indústria